Cumbe, de Marcelo D’Salete, ganha o prêmio Eisner na categoria Melhor edição Americana de material estrangeiro.

A história em quadrinhos Cumbe, de Marcelo D’Salete, ganhou um dos mais importantes prêmios internacionais da categoria. A HQ do paulista levou o prêmio Eisner na categoria Melhor edição americana de material estrangeiro.

Os vencedores do Eisner 2018 foram anunciados no dia 20. No entanto Marcelo só soube que ganhou no dia seguinte, quando seus amigos começaram a parabenizá-lo. Cumbe, ou Run for It, foi lançada pela primeira vez em 2014 e tem a escravidão em sua temática central. O autor iniciou as pesquisas para a história que queria contar em 2004.

Por abordar temas densos e ainda muito questionados Marcelo contou em uma recente entrevista que não achou que fosse levar o prêmio.

Essa vitória, dentro de um mercado enorme que é os EUA, é muito significativa para o quadrinho nacional. Ainda mais com um trabalho falando sobre nossa história, de um modo especial. É o meu modo de contar histórias, que inicialmente até achava que afastava as pessoas, mas que está chamando a atenção até de pessoas que não liam quadrinhos”

Obras de Marcelo D’Salete

Além de Cume, Marcelo criou Angola Janga (Veneta, 2017), Encruzilhada (Veneta, 2016), Noite Luz (Via Lettera, 2008) e Risco (Cachalote, 2014). Todos os trabalhos estão envoltos do tema racismo e escravidão, todos sobre a perspectiva dos negros.

Cumbe

Em Cumbe, o autor retrata a luta dos negros no Brasil colonial, contra a escravidão. Marcelo D’Salete conta quatro histórias de escravos, sempre focando na esperança e na resistência. O livro traz histórias em quadrinhos protagonizadas por escravos,  em tramas duras, realistas e violentas. Mostrando a resistência contra a violência das senzalas brasileiras.

Cumbe, foi publicado no Brasil, Portugal ( Polvo), França (editora Çà et Là), Itália (editora BeccoGiallo), Áustria (editora Bahoe Books) e EUA (Run for it, editora Fantagraphics). Em Portugal, o livro foi selecionado pelo programa Ler+ como sugestão de leitura para a rede escolar. Cumbe foi indicado ao prêmio HQmix (Brasil, 2015), ao Rudolph Dirks Awards (Alemanha, 2017) e premiado no Eisner (EUA, 2018).

Angola Janga

Em Angola Janga – Uma história de Palmares, Marcelo conta a história do maior quilombo brasileiro. O autor diz que seus objetivos com a HQ é propor uma nova leitura sobre a luta de grupos negros, populares e indígenas contra um modelo colonial baseado em uma forte hierarquia social.

Vencedora do Prêmio Grampo Ouro (Brasil, 2018), Angola Janga foi publicado também na França (Ça et Là, 2018).

Encruzilhada

Encruzilhada conta a história de duas crianças abandonadas nas ruas da cidade grande. Uma garota de programa, um usuário de drogas, vendedores de DVDs piratas, um ladrão de carros: os personagens de Encruzilhada revelam São Paulo.

O livro foi lançado originalmente em 2011 pela editora Leya. Em 2014 foi reimpresso em uma edição ampliada pela Cachalote. A editora Veneta lançou sua versão em 2016.

Noite Luz

Noite Luz é composto por seis histórias em quadrinhos: Noite Luz, Entre Rosas e Estrelas, Buldog, Sexta, O Patuá de Dadá e Graffiti. O livro, traz HQs ambientadas em uma cidade grande que não é definida. As histórias acontecem em um bairro de classe baixa onde fica a boate Noite Luz, que dá título ao livro. É nessa região que pessoas comuns protagonizam suas histórias cotidianas, que passam por desemprego, amor, decepção, medo e decisões difíceis.

Foi publicado também na Argentina (Ex-Abrupto, 2009), em espanhol.

Risco

Risco acompanha um guardador de carros, que tenta fazer uma grana no centro da cidade, mas a tarefa parece ser mais difícil do que imaginava.

Sendo a mais curta entre todas as obras Risco faz parte da coleção Franca da Editora Cachalote.

Acesse o Epílogo e saiba muito mais.

Comente